O Propel RC é apoiado por leitores. Quando compra através de links no nosso site, podemos ganhar uma comissão de afiliação sem qualquer custo para si.

Diferentes tipos de Drones Militares: Explicado em pormenor (Março 2023)

Por: Richard J. Gross
Actualizado em: Março 3, 2022

Os tipos de veículos aéreos militares ou não tripulados, mais conhecidos como drones, são bem conhecidos pela sua utilização em missões de busca e salvamento, com esforços de socorro em caso de catástrofe, ajudam os agricultores a cartografar as suas colheitas e a seguir o rasto do gado, fins de vigilância, etc.

Tipos de Drones Militares

A tecnologia dos drones está em constante evolução, o que significa que as possibilidades da sua utilização são infinitas. De facto, são utilizadas pelos militares há anos e estão a tornar-se cada vez mais prevalecentes nas operações militares.

Neste post do blogue, daremos uma vista de olhos a algumas das mais recentes tecnologias de drones que estão a ser utilizadas pelos militares. Também discutiremos os benefícios e inconvenientes de cada tipo de zangão. Portanto, sem mais demoras, vamos começar!

Primeiro, vamos mergulhar no história dos zangões utilizado nas forças armadas.

Uma breve história sobre o uso de drones em operações militares

Os drones ou veículos aéreos não tripulados já existem há mais de um século. O primeiro voo tripulado foi feito pelos irmãos Wright em 1903. Contudo, só depois da Segunda Guerra Mundial é que as aeronaves não tripuladas começaram a ser desenvolvidas comercialmente.

Nos primeiros tempos do desenvolvimento de zangões, estes eram utilizados principalmente para fins de reconhecimento e vigilância.

A utilização de drones em operações militares pode ser rastreada até aos primeiros dias da Primeira Guerra Mundial. De facto, a primeira missão de drones bem sucedida foi conduzida pela Marinha Real Britânica em 1917. Nessa altura, utilizavam um avião sem piloto chamado "Queen Bee" para tiro ao alvo.

Depois, durante a Segunda Guerra Mundial, foram utilizados drones para missões de bombardeamento. No entanto, não tiveram muito sucesso devido ao seu alcance limitado e capacidade de carga útil.

Os drones também foram utilizados para fins militares no início dos anos 2000 durante a Guerra do Iraque. Foram enviados para recolher informações e conduzir ataques aéreos.

Além disso, foram utilizados como uma forma de guerra psicológica, sobrevoando território inimigo e tocando música ou transmitindo mensagens de propaganda.

Desde então, a tecnologia dos drones tem continuado a evoluir. Estão a tornar-se cada vez mais predominantes nas operações militares devido aos seus muitos benefícios, tais como a capacidade de permanecer no ar durante longos períodos de tempo, reunir informações e realizar ataques de precisão.

A utilização de drones militares tem suscitado muito debate e controvérsia ao longo dos anos. Algumas pessoas acreditam que são eticamente erradas de usar em situações de combate, uma vez que podem causar baixas civis. Outros argumentam que fornecem uma forma mais precisa e eficiente de conduzir ataques aéreos sem colocar tropas em risco.

Os defensores argumentam que proporcionam uma forma mais barata e mais eficiente de levar a cabo operações militares. Argumentam também que reduzem o número de baixas civis, uma vez que os drones são mais precisos do que outros sistemas de armamento.

Os críticos também argumentam que a utilização de zangões militares conduz a uma "inclinação escorregadia" - ou seja, uma vez que começamos a utilizar zangões militares, será mais provável que os utilizemos noutras situações, tais como a aplicação da lei doméstica.

Não há respostas fáceis quando se trata da ética dos drones militares. No entanto, é importante considerar as implicações da sua utilização antes de tomar quaisquer decisões.

Há muitas razões pelas quais as pessoas gostam de utilizar o termo Sistemas Aeronáuticos Não Tripulados (UAS) em vez de drones. Algumas pessoas acreditam que UAS soa menos militarista, enquanto outras pensam que é uma descrição mais precisa da tecnologia.

Os drones podem ser utilizados para uma variedade de fins, incluindo operações militares, missões de busca e salvamento, e fotografia aérea.

UAS, por outro lado, refere-se especificamente a aeronaves que são pilotadas sem piloto humano a bordo. Esta distinção é importante porque significa que o UAS pode ser utilizado para uma gama mais vasta de aplicações do que os zangões.

Outra vantagem de utilizar o termo UAS é que soa menos perigoso. As pessoas pensam que o termo drone tem conotações negativas porque está frequentemente associado a operações militares. Daí que o termo UAS já tenha ganho uma aceitação generalizada entre o público em geral.

Agora que temos uma compreensão básica da história dos drones em operações militares, vamos dar uma vista de olhos a algumas das últimas tecnologias de drones que estão a ser utilizadas pelos militares.

Leia também: Os melhores drones alimentados a gás: Tudo o que precisa de saber sobre

Categorias de Os Drones Militares

Uma categorização dos zangões desenvolvida pela Nato ajuda a avaliar melhor as suas divisões com base na velocidade, peso, etc. As categorias são as seguintes:

CLASSE I (Menos de 150kg)

Os zangões desta classe são do tipo mais lento e mais leve, e são tipicamente utilizados para missões de reconhecimento ou vigilância. Podem ser transportados por uma única pessoa e têm um tempo de voo de até duas horas.

Esta classe inclui micro zangões, mini zangõese pequenos zangões.

Microdrones

Os microdrones pesam menos de 150 kg e podem ser utilizados para diversos fins, tais como inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR), aquisição de alvos, retransmissão de comunicações, avaliação de danos no campo de batalha, ou entrega de munições.

Tipos de Drones Militares

O Micro Raven é um exemplo de um micro zangão. Feito pela AeroVironment, é o mais pequeno e mais leve UAS que a empresa produz.

O Corvo pesa apenas quatro libras e pode ser transportado numa mochila. Tem um tempo de voo de até 90 minutos e é utilizado pelos militares para missões de reconhecimento. Pode ser montado em minutos.

O Micro Corvo tem uma envergadura de asas de pouco mais de dois pés e pode voar a velocidades até 50 mph. Está equipado com uma câmara de infravermelhos, o que lhe permite captar imagens durante missões nocturnas. Está também equipado com um receptor GPS, o que lhe permite seguir a sua localização e regressar ao seu ponto de lançamento.

O Micro Raven tem sido utilizado pelos militares no Iraque e no Afeganistão para missões de reconhecimento. Também tem sido utilizado por agências de aplicação da lei para operações de busca e salvamento.

O drone pode ser usado para procurar pessoas desaparecidas e pode ser equipado com uma câmara térmica para detectar assinaturas de calor de incêndios ou outras fontes.

Minidrones

Os mini drones são utilizados para os mesmos fins que os microdrones, mas também podem ser utilizados em missões mais complexas como a supressão das defesas aéreas inimigas (SEAD), guerra electrónica (E.W.), ou mesmo missões de ataque.

Tipos de Drones Militares

Um exemplo é o SkyRanger. É um zangão que é utilizado para o reconhecimento e vigilância. Tem uma envergadura de asas de pouco mais de um metro e pode permanecer no ar até duas horas. O SkyRanger está equipado com uma câmara de alta resolução, o que lhe permite captar imagens claras a partir de altitudes elevadas.

Este drone é ideal para aplicações militares e policiais, pois pode ser utilizado para fornecer informações em tempo real sobre situações hostis.

O SkyRanger está também equipado com um sistema GPS, que permite aos operadores rastrear a sua localização em qualquer altura. Este drone pode ser implantado rápida e facilmente, tornando-o a ferramenta perfeita para situações de emergência.

O SkyRanger tem sido utilizado pelos militares em vários países diferentes, incluindo os Estados Unidos, Canadá, e Reino Unido.

Para além das suas capacidades de reconhecimento, o SkyRanger também pode ser utilizado para operações de busca e salvamento. Este zangão é suficientemente pequeno para caber em espaços apertados e tem um perfil de baixo ruído, o que o torna ideal para operações encobertas.

O SkyRanger tem sido utilizado para resgatar reféns, recuperar pilotos abatidos, e fornecer informações em situações perigosas.

Pequenos Drones

Os pequenos drones são a maior e mais pesada classe nesta categoria e, tal como o resto dos drones, são utilizados para o ISTAR (Inteligência, Vigilância, Aquisição de Alvos e Reconhecimento). Podem também ser utilizados para a guerra electrónica, controlo de tráfego aéreo no campo de batalha, missões de ataque, protecção de comboios, e mesmo como chamarizes.

Tipos de Drones Militares

O MQ-X é um bom exemplo de um pequeno zangão. É fabricado pela General Atomics e pode ser armado com uma variedade de armas, incluindo mísseis Hellfire. Tem um tempo de voo de até 16 horas e pode voar a uma velocidade de até 300 mph.

O drone MQ-X é a última palavra em tecnologia militar. Tem um design furtivo que torna difícil a sua detecção, e pode voar durante longos períodos de tempo sem necessidade de reabastecimento.

O MQ-X tem também um elevado grau de manobrabilidade, o que lhe permite escapar ao fogo inimigo. Este zangão é perfeito para missões de reconhecimento e para seguir os movimentos inimigos.

Os zangões de classe I estão a tornar-se cada vez mais populares devido ao seu baixo custo e versatilidade. São preferidos por unidades de forças especiais ou departamentos de polícia, uma vez que são pequenos e fáceis de operar.

Alguns outros zangões de Classe I normalmente utilizados incluem o ScanEagle, o Wasp A.E., o Puma A.E., o Predator, o Reaper, etc.

O ScanEagle é um zangão pequeno e leve que é fabricado pela Boeing. Tem uma envergadura de asas de pouco mais de três metros e pode ser transportado por uma pessoa. Pode permanecer no ar por até vinte horas e pode voar a uma velocidade de até 100mph.

Foi concebido para missões de reconhecimento e pode ser equipado com uma câmara infravermelha ou a cores. O zangão também é capaz de transportar uma pequena carga útil, tornando-o útil para transportar equipamento de comunicações. Pode ser lançado à mão a partir de um veículo em movimento ou do solo através de um sistema de catapulta "SuperWedge".

A ScanEagle tem tido grande sucesso em encurtar as missões de busca e salvamento. Uma das suas primeiras utilizações foi com a Marinha dos EUA para caçar piratas ao largo da costa da Somália, em 2004.

A Wasp A.E. é um pequeno drone fabricado pela AeroVironment que pode ser transportado e operado por uma pessoa. Tem uma envergadura de asas de pouco mais de 1,5 metros e pode voar a velocidades até 70 mph.

Está equipada com uma câmara de infravermelhos e pode ser utilizada para missões de reconhecimento ou vigilância. Pode também ser armada com mísseis ou outras armas para atacar alvos.

A Wasp A.E. é a última palavra em tecnologia de drones e está rapidamente a tornar-se um dos drones mais populares no exército. O zangão também tem sido utilizado pelo Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Marinha e Força Aérea.

Outra novidade em tecnologia de zangões, o Puma A.E., é um pequeno quadcopter com um curto alcance, mas que pode ser utilizado por longos períodos de tempo e tem capacidades de vigilância que o tornam útil para militares em todo o mundo.

É desenvolvido pela AeroVironment. Tem uma envergadura de asas com pouco mais de nove pés e pode ser transportado por duas pessoas. Tem um tempo de voo de até três horas e pode voar a uma velocidade de até 65 mph.

As aeronaves militares são mais avançadas do que nunca porque foram concebidas por engenheiros robóticos especializados em veículos aéreos não tripulados.

Leia também: 10 Melhores Drones de Mapeamento

CLASSE II (150kg-600kg)

Os UAV de classe II, também conhecidos como UAV tácticos, são utilizados na função de apoio aéreo próximo. Os sistemas de UAV tácticos podem fornecer às tropas terrestres uma imagem imediata da situação no campo de batalha, permitindo uma melhor tomada de decisões.

Tipos de Drones Militares

Os zangões desta classe são maiores e mais rápidos do que os da Classe I, e são tipicamente utilizados para missões de ataque, recolha de informações, ou outras operações ofensivas. Podem também transportar uma carga útil mais pesada, tal como equipamento de vigilância.

Esta classe inclui zangões de média-altitude de longa duração (MACHO) e de alta-altitude de longa duração (HALE).

Os zangões machos têm normalmente uma envergadura de asas de cerca de 30 pés e podem permanecer no ar por até 24 horas. Os zangões HALE são muito maiores, com uma envergadura de asas até 200 pés, e podem voar até duas semanas de cada vez.

Os drones de classe II rastreiam a actividade inimiga, fornecem reconhecimento e vigilância aérea, conduzem missões de busca e salvamento. A capacidade de voar continuamente durante até duas semanas permite-lhes cobrir uma vasta área de terra ou mar em qualquer altura.

Aqui estão alguns exemplos de zangões de Classe II:

Sperwer: O Sperwer drone é um veículo aéreo não tripulado que é utilizado pelos militares franceses. Foi desenvolvido em 2001 e está em serviço desde 2003.

O Sperwer é operado por uma única pessoa e pode ser lançado tanto de uma plataforma terrestre como aérea. Está equipado com uma câmara infravermelha e pode ser utilizado para reconhecimento ou aquisição de alvos. A Sperwer tem sido utilizada no Iraque, Afeganistão e Líbia.

Um zangão permitido mesmo em espaços civis é The Watchkeeper. É um veículo aéreo não tripulado (UAV) de média altitude e longa resistência (MALE) desenvolvido pela Elbit Systems. Baseia-se no UAV Hermes 450, que está em serviço com os militares israelitas desde 2005.

O Vigilante foi concebido para fornecer inteligência, vigilância, aquisição de alvos e capacidades de reconhecimento (ISTAR) para o Exército Britânico no campo de batalha.

Este UAV pode transportar uma gama de cargas úteis, incluindo sensores electro-ópticos com câmaras de infravermelhos e designador/iluminador laser, radar de abertura sintética (SAR), indicação de alvo móvel terrestre (GMTI), e relé de comunicações.

Watchkeeper é operado pelo Corpo Aéreo do Exército, que treinou tripulantes e mantenedores aéreos na sua base em Larkhill, Wiltshire. Os UAV são pilotados a partir do centro de operações Watchkeeper dedicado de Thales, no Reino Unido, que foi inaugurado em 2012.

Classe III (mais de 600kg)

Os UAV de classe III são drones estratégicos que servem o mais alto nível de operações militares. São aeronaves de grande porte, de movimento rápido, de longo alcance e resistência. Estes drones executam missões de reconhecimento sobre território inimigo ou realizam ataques a alvos específicos a partir de altitudes elevadas.

Tipos de Drones Militares

Os UAV de classe III podem voar durante vários dias de cada vez e podem transportar cargas pesadas, tais como bombas e mísseis. São tipicamente armados com mísseis ar-superfície, mísseis anti-tanque guiados, ou bombas guiadas por laser.

Exemplos de zangões de Classe III:

O Predator Drone é um veículo aéreo de combate não tripulado (UCAV) desenvolvido pela General Atomics Aeronautical Systems for the United States Air Force (USAF).

Foi introduzida ao serviço pela primeira vez em 1995 e tem sido utilizada em vários conflitos, incluindo a Guerra do Kosovo, a Guerra do Afeganistão, e a Guerra do Iraque.

O Predador é um UAV furtivo que pode voar por até 20 horas de cada vez. Está equipado com uma câmara de infravermelhos e um designador/iluminador laser para fins de mira. O Predator está armado com dois mísseis AGM-114 Hellfire, que têm um alcance de até cinco quilómetros.

O drone Predator é um dos mais conhecidos tipos de drones militares. Tem sido amplamente utilizado no Afeganistão e no Iraque.

O drone é um avião de média altitude, de longa duração (MACHO) que pode ser armado tanto com mísseis como com bombas. Está também equipado com câmaras que permitem aos operadores observar o campo de batalha à distância.

O Global Hawk é um drone de alta altitude e de longa resistência (HALE) que foi desenvolvido por Northrop Grumman para a Força Aérea Americana. É utilizado para missões de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR).

Tipos de Drones Militares

O Falcão Global pode voar a altitudes de até 65.000 pés durante mais de 30 horas. Também pode voar até 12.300 milhas náuticas e é capaz de cumprir a sua missão por até 24 horas consecutivas.

O Global Hawk tem uma envergadura de asas de 116 pés (35,36 metros) e é alimentado por um motor turbofan Rolls-Royce AE 300707 que gera 15.000 libras de impulso (67,12 kN). Tem um peso máximo de descolagem de 32.500 libras (14.700 kg) e pode atingir velocidades até 340 nós (391 mph/629 km/h).

O Global Hawk voou pela primeira vez em 1998 e entrou ao serviço operacional com a Força Aérea Americana em 2001. Desde então, tem sido utilizado em várias situações de combate, tendo registado mais de 165.000 horas de voo.

O Global Hawk foi originalmente concebido como um substituto para a série de drones U-21/Dragon Lady, mas está agora a ser desenvolvido para um drone de longa duração (HALE) de alta altitude mais avançado que pode ser utilizado em missões de reconhecimento.

O Global Hawk drone está equipado com uma variedade de sensores que lhe permitem recolher informações de inteligência a partir de locais de alta altitude. O Global Hawk drone está actualmente implantado no Afeganistão e no Médio Oriente.

O Reaper Drone é um veículo aéreo não tripulado (UAV) desenvolvido pela General Atomics Aeronautical Systems para a Força Aérea dos Estados Unidos e a CIA. Foi introduzido pela primeira vez em serviço em 2007 e tem sido utilizado em vários conflitos, incluindo a Guerra do Afeganistão, Guerra do Iraque, e Guerra Civil Líbia.

Tipos de Drones Militares

O Ceifeiro tem uma envergadura de asas de 66 pés e pesa mais de 13.000 libras quando completamente carregado com combustível e armas. Pode transportar até 500 libras de munições, incluindo mísseis Hellfire, bombas JDAM guiadas por GPS, ou bombas guiadas por laser para ataques de precisão contra alvos inimigos no solo.

O Hermes 900 é um drone de média altitude, de longa duração (MALE) que foi desenvolvido conjuntamente pela empresa de defesa israelita Elbit Systems e pela empresa aeroespacial italiana Alenia Aermacchi.

Voou pela primeira vez em 2009 e entrou em serviço operacional com a Força Aérea israelita em 2011.

É alimentado por um único motor turboélice e tem uma envergadura de asa de 18,74 metros (61,73 pés). Pode transportar uma carga útil de até 350 quilogramas (772 libras) e tem uma resistência máxima de 24 horas.

O Hermes 900 está equipado com um conjunto avançado de sensores electro-ópticos/infravermelhos (EO/IR), que é capaz de operações diurnas e nocturnas. Também pode ser equipado com radar de abertura sintética (SAR), relé de comunicações, sistemas de guerra electrónica (E.W.), ou radar de patrulha marítima multimodo.

O sistema de controlo de voo do drone permite-lhe voar de forma autónoma ou sob o controlo de um operador em terra.

Classificações baseadas em funções

Os UAV são também classificáveis com base em certas funções que cumprem para operações militares. Seguem-se alguns dos papéis mais comuns para os UAV nas forças armadas:

Reconhecimento: Os UAV utilizados no reconhecimento conduzem missões de vigilância sobre território inimigo para recolher informações sobre movimentos de tropas, arsenais de armas, e outros alvos estratégicos.

Ataque: Os UAV utilizados para ataque transportam armas como mísseis ou bombas. São utilizados para realizar ataques a alvos inimigos quando a furtividade é da maior importância.

Apoio em matéria de combate: Os UAV utilizados para apoio ao combate fornecem apoio ao fogo a tropas terrestres amigas. Podem ser equipados com armas ou sensores para ajudar a identificar alvos inimigos no campo de batalha.

Combate: Os UAV utilizados em combate estão armados com metralhadoras, canhões, e outros tipos de armamento. Combatem ar a ar contra aviões inimigos ou fornecem apoio aéreo próximo às tropas terrestres.

Investigação e Desenvolvimento: Estas são utilizadas para testar novas tecnologias antes de serem utilizadas em combate.

Logística: UAV utilizados para apoio logístico do transporte de material e equipamento para as tropas no campo de batalha. Podem também ser utilizados para evacuar o pessoal ferido do campo de batalha.

Comando e Controlo: Os UAV utilizados para comando e controlo fornecem capacidades de reconhecimento, vigilância e aquisição de alvos (RSTA) para comandantes no terreno. Transmitem informações sobre movimentos inimigos, localização de armas e outros alvos estratégicos às forças amigas na área.

Civil e Comercial: Estes são utilizados para uma vasta gama de drones civis e zangões comerciais aplicações como a fotografia, a agricultura e a topografia.

Classificações baseadas na autonomia dos UAV

Os UAV têm um sistema de classificação baseado na sua autonomia e interacção com operadores humanos no desempenho das suas missões.

Zangão autónomo A operação é feita quando um UAV não precisa de qualquer contributo de um operador; voa sozinho sem qualquer ajuda de humanos no solo. Os UAV autónomos podem voar rotas pré-determinadas ou realizar missões com base em instruções pré-programadas sobre zangões programáveis.

Os UAV autónomos existem há mais de 50 anos. O primeiro UAV autónomo foi o Teledyne Ryan Firebee, que foi desenvolvido no início da década de 1950. Era um pequeno avião não tripulado que podia ser controlado remotamente por um operador em terra.

Em 1973, o engenheiro israelita Abraham Karem concebeu e construiu o primeiro UAV verdadeiramente autónomo, a que chamou Albatross. O Albatross era um grande avião movido a hélice que podia permanecer no ar durante horas de cada vez.

No início dos anos 90, a empresa israelita Tadiran desenvolveu o Mastiff, que foi o primeiro UAV a ser equipado com um sistema de piloto automático que lhe permitiu voar autonomamente.

Qualquer UAV que precise de orientação humana, mesmo no mínimo, não pode ser considerado totalmente autónomo.

Existem as seguintes classificações para os UAV que fazem uso de tecnologia autónoma:

A fusão de sensores é a combinação de dados de vários sensores num UAV para criar uma imagem mais precisa e completa do campo de batalha. Isto é feito com a ajuda de algoritmos de inteligência artificial (IA) que permitem ao UAV identificar alvos e tomar decisões sobre a melhor forma de responder.

O planeamento de percursos é um tipo de I.A. que permite aos UAV planearem os seus próprios percursos e evitarem obstáculos. Isto é conseguido com a utilização de algoritmos que calculam a melhor rota do ponto A ao ponto B com base em múltiplos factores, tais como terreno, condições meteorológicas, etc.

O planeamento de missões é outra forma de I.A. que permite aos UAV tomar decisões sobre a melhor forma de cumprirem os seus objectivos de missão.

Os UAV de comunicação são um tipo de UAV que é utilizado para retransmissão de comunicação entre forças terrestres e comandantes. Podem também ser utilizados para transmitir informação de outros UAV ou satélites de volta às forças terrestres.

Os UAV de geração de trajectórias são um tipo de UAV que é utilizado para geração de trajectórias. Criam trajectórias de voo para outros UAV a seguir. Isto é feito através do envio de comandos aos outros UAV que lhes dizem como navegar à volta dos obstáculos e evitar o fogo inimigo.

Os UAV programados são um tipo de UAV que é utilizado para programação. Gerem os planos de voo de outros UAV e mantêm-nos no bom caminho para que todos eles possam chegar aos seus destinos a tempo.

Os UAV são um tipo de UAV que é utilizado para a atribuição de tarefas. Atribuem tarefas a outros UAV a fim de cumprirem os seus objectivos de missão.

As tácticas cooperativas de UAV são um tipo de UAV que é utilizado para tácticas cooperativas. Trabalham em conjunto com outros UAV para atingir objectivos comuns. Isto pode envolver a partilha de dados entre os UAV, ou a coordenação das suas acções, de modo a derrotar o inimigo.

O caminho dos UAV autónomos tem a oportunidade de conduzir ao desenvolvimento de um UAV mais receptivo, o UAV Inteligente, que, a seu tempo, substituirá por completo o controlador humano.

O futuro dos UAV

Veículos aéreos não tripulados são uma visão cada vez mais comum nos céus. Podem ser utilizados para tudo, desde a entrega de pacotes até à monitorização das condições de tráfego e assistência em operações de busca e salvamento.

Os UAV existem desde a Segunda Guerra Mundial. Hoje em dia, são utilizados tanto em aplicações militares como civis. Os militares dos EUA utilizam-nos para missões de reconhecimento, enquanto alguns departamentos de polícia os utilizam para monitorizar as condições de tráfego e ajudar em operações de busca e salvamento.

No futuro, é provável que os UAV venham a desempenhar um papel ainda maior tanto na esfera militar como na civil. Eles tornar-se-ão mais sofisticados, e as suas aplicações continuarão a crescer.

À medida que a tecnologia avança, é possível que os controladores humanos acabem por ser substituídos por UAV autónomos. Isto teria um grande impacto na forma como conduzimos a guerra e executamos outras tarefas que actualmente requerem intervenção humana.

Existe uma vasta gama de utilizações para UAV, e à medida que a tecnologia continua a avançar, será interessante ver que novas aplicações surgem com o tempo. É uma perspectiva excitante, e que continuaremos a observar nos anos vindouros.

Conclusão

A utilização de veículos aéreos não tripulados (UAV) tem aumentado rapidamente nos últimos anos, com militares e forças policiais em todo o mundo a utilizá-los para várias tarefas. Os Veículos Aéreos Não Tripulados continuam a ser aplicados em várias operações militares em todo o mundo.

Fornecem às tropas uma nova camada de consciência situacional e também podem ser utilizados para tarefas como ataques aéreos e transporte de carga. As potenciais aplicações civis dos UAV são vastas e continuam a ser exploradas.

Os UAV também têm muitas classificações, como vimos neste artigo. Os UAV podem ser classificados pelo seu peso, finalidade, função, ou desenho.

Alguns tipos comuns de UAV incluem UAV de reconhecimento, UAV de comunicação, UAV de geração de trajectórias, e UAV de táctica cooperativa. Cada tipo tem as suas próprias capacidades únicas que o tornam valioso para aplicações específicas.

Os UAV são apenas um exemplo de como a tecnologia está a mudar. O futuro parece brilhante para os UAV, uma vez que estes continuam a ser desenvolvidos com novas capacidades e aplicações.

Neste artigo, analisámos alguns dos tipos mais comuns de zangões militares e a sua utilização no sector militar. Também explorámos algumas das aplicações civis que estão a ser desenvolvidas.

Já provaram ser bens valiosos em muitos campos diferentes, e o seu potencial é ilimitado. Só podemos esperar para ver o que vem a seguir do mundo dos UAV, e como eles irão afectar as nossas vidas.

Obrigado por ler!

Avatar
Richard J. Gross

Olá, o meu nome é Richard J. Gross e sou piloto de Airbus a tempo inteiro e proprietário de um negócio de aeronaves comerciais. Entrei no ramo dos drones em 2015 quando comecei a fazer fotografia aérea para empresas imobiliárias. Não fazia ideia no que me estava a meter na altura, mas acontece que a polícia foi chamada a mim pouco depois de ter começado a voar. Eles não gostavam que eu voasse com o meu drone perto de pessoas, por isso pediram-me para vir treinar os seus agentes sobre as regras e regulamentos para drones. Depois disso, decidi começar o meu próprio negócio de zangões e ensinar outros sobre o uso seguro e responsável de zangões.

Um comentário sobre "Different Types of Military Drones: Explained In Details (Maio 2024)

  1. “Eu realmente aprecio você compartilhar todas essas ótimas dicas com os tutoriais!” “Seus escritos/blogs sempre têm o melhor humor.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

lupacruz
pt_PTPortuguês
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram